LINFOMA 

O Linfoma acontece quando o sistema linfático é atingido, especificamente nos linfócitos e seus precursores, fazendo com que eles não consigam cumprir seu papel no nosso organismo: nos proteger de bactérias, vírus e outros. Crescendo de maneira descontrolada por todo o sistema linfático, eles são transformados em malignos.

Os Linfomas são divididos em dois tipos: 

Linfoma de Hodgkin (LH) e linfoma não-Hodgkin (LNH).

Ambos apresentam sintomas, comportamentos e graus diferentes, sendo sua principal diferença nas células doentes:

O Linfoma de Hodgkin têm a presença de células grandes e de fácil localização no linfonodo doente, sendo conhecidas como células de Reed-Sternberg. A presença desta célula é que gera uma reação de inflamação, e então, as demais células de defesa "correm" para perto, visando evitar a infecção, isso faz com que esse aglomerado de células junto com as células malignas, é que formam o tumor. 

Não se sabe o motivo para acontecer o Linfoma de Hodgkin, no entanto, o que se sabe é que se trata de uma doença adquirida, e não hereditária. Pode acontecer em qualquer idade, porém, pessoas de 25 a 30 anos são as que tem recebido mais o diagnóstico.

Já o Linfoma não-Hodgkin não tem um tipo de célula característico e são mais de 80 tipos diferentes da doença. Como em todos os tipos de câncer, após o diagnóstico, é feita a classificação do tipo do linfoma e seu estágio.

Podem ser separados em dois grupos maiores de células linfoides afetadas: linfócitos B ou T.

Também não há precisão do motivo para o surgimento deste câncer.

As informações aqui citadas não substituem o atendimento médico. Caso você esteja com algum sintoma, procure o médico mais próximo.

Cada Câncer se manifesta de uma forma diferente, com sintomas e sinais diferentes. Após o diagnóstico, a equipe de tratamento irá avaliar o estadiamento da doença, planejando o melhor tratamento para você.

Texto escrito por Cíntia Consul.


Referências:
Oncoguia: http://www.oncoguia.org.br/
Inca: https://www.inca.gov.br/
Abrale: https://www.abrale.org.br/